Coronavírus: SES e SEDSODH promovem reunião sobre gestão de Instituições de Longa Permanência para Idosos

Na última sexta-feira, 24, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (SEDSODH) e a Secretaria de Estado de Saúde (SES), por meio da Subsecretaria de Vigilância em Saúde (SVS) e Superintendência de Atenção Primária em Saúde (SAPS), promoveram reunião com representantes das coordenações de Assistência Social e de Saúde dos municípios que foram escolhidos para participar do projeto Todos Pela Saúde. A iniciativa, privada, atua de forma suplementar às ações do estado com doações de insumos para higiene, EPIs, testagem, equipamentos e treinamento das Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs), especialmente vulneráveis durante a pandemia de COVID-19.

O projeto conta com diversos parceiros; no governo estadual, a SEDSODH e a SES trabalham em conjunto para mapear e fornecer assistência médica às ILPIs. Sobre a iniciativa, a superintendente de Atenção Primária em Saúde (APS), Thaís Severino, declarou ser um momento oportuno e importante para intensificar a articulação da APS no cuidado dessa população. Já a subsecretária de Vigilância em Saúde, Cláudia Mello, exaltou a organização do processo. “Cada etapa do processo foi adequada ao idoso, com coleta de testes para aqueles que a instituição reconhecer como necessário, além do cuidado e delicadeza com os pacientes e humanização de todo o projeto. Estamos muito felizes”, declarou.

O projeto Todos pela Saúde é financiado pelo banco Itaú e conta com a gestão de um grupo de especialistas em saúde, como o fundador da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Gonzalo Vecina Neto, o consultor do Conselho de Secretários de Saúde (CONASS), Eugênio Vilaça Mendes e o médico e escritor Dráuzio Varella. Parte do projeto, a enfermeira sanitarista Miriam Ikeda apresentou o estímulo do grupo para o trabalho com as ILPIs durante a pandemia. “Nosso grupo de especialistas estudou a pandemia de coronavírus e chegou à conclusão de que os idosos institucionalizados são bastante vulneráveis à COVID-19. Estamos atuando em diversos estados, não só com idosos, mas com caminhoneiros e os privados de liberdade também”, exemplificou Ikeda.

Os municípios do estado do Rio de Janeiro que têm mais de 200 mil habitantes e as instituições cadastradas no Sistema Único de Assistência Social (SUAS) receberam equipamentos de proteção para os cuidadores e estão organizando a testagem das equipes e dos idosos. A ONG OLHE – Observatório da Longevidade Humana e Envelhecimento – participará da parte operacional do projeto, com 160 especializados em gerontologia oferecendo consultoria no cuidado com idosos em todas as ILPIs participantes. O projeto também coletará dados para a Plataforma Longeviver a partir do questionário da Frente Nacional de Fortalecimento das ILPIs, formando uma base pública para pesquisa sobre o tema.

FIQUE POR DENTRO